Cannes Lions e as “Tracks” por Bruno Regalo

Todos sabemos que o tradicional Festival Cannes Lions passou por mudanças,
dentro e fora do Palais. Seja pela ausência do grupo Publicis, as ativações de
marca que invadiram a Côte d’ Azur (como Facebook, Pinterest, Instagram, Oracle),
e também a divisão da competição por “Tracks”.

Sim, Tracks, Cannes dividiu toda a competição em 9 grandes grupos:

Reach: Focado no insight, planejamento e a escala das ideias

Communication: As Big ideas, parcerias e seus resultados

Craft: O artesanato do festival, foco na arte, na entrega e o requinte de crueldade nas execuções

Experience: A capacidade de imersão do consumidor x marcas através das ideias

Innovation: As novidades que unem tecnologia com entrega criativa para reforçar a conversa com o público final

Impact: Números. Eficácia e técnicas usadas para gerar grandes resultados

Good: O melhor uso da criatividade em prol da cultura e impactos positivos pra sociedade

Entertainment: Premiar o que saiu da esfera publicitária e virou entretenimento autêntico

Health: Uma das áreas que mais cresce no mundo da propaganda, onde celebra as melhores ideias no setor de saúde.

Com a divisão das tracks melhora a competição muitas vezes injustas de clientes “pro-bono” x marcas com briefings e desafios diários, além de colocar as peças para brigarem em igualdade com a mesma métrica e não longas listas onde todos competiam com todos.

Em junho descobriremos se funcionou ou se teremos ainda mais mudanças para 2019.

Acompanhe toda a cobertura do Reclame durante o Cannes Lions através das nossas redes sociais e da #reclameemcannes.

Sobre o autor
- Me conhecem como “Regalo”, filho de português, Vascaíno (vamos mudar de assunto?!) , fã de futebol anos 90, músico frustrado que coleciona guitarras que não tem tempo de tocar. Passa o tempo sendo diretor de criação, sócio e fundador de uma loja de doces disfarçada de agência de propaganda chamada Candy Shop.